localização e terroir

A Quinta das Peixotas compreende uma área de cerca de 30 hectares e localiza-se no norte de Portugal, na Região Demarcada do Douro,  a sul da freguesia de Canelas, perto da cidade de Peso da Régua – capital do vinho e da vinha.

Esta região é banhada pelo Rio Douro (com foz na cidade do Porto) e é internacionalmente conhecida pelos seus vinhos DOC Douro e especialmente pelo célebre Vinho do Porto.

A longa tradição da viticultura revela-se numa paisagem de especial beleza, que destaca o trabalho ao longo dos séculos na construção de muros em xisto que prolongam as encostas e contribuem para a autenticidade da região.

Dispondo de um terroir muito especial, a meia-encosta, a Quinta das Peixotas possui um miradouro que oferece uma paisagem magnífica, em pleno Douro Vinhateiro, onde as vinhas são implantadas em terrenos de xisto e dispostas em socalcos.

A região beneficia de um microclima muito particular, cercada por montanhas, com verões muito quentes e secos e invernos rudes e prolongados, com muita geada.

O terreno de base xistosa (com um declive médio de 25%) é pobre e seco, sendo favorecido por uma exposição solar privilegiada, perfeita para a cultura da vinha e da oliveira.
A impermeabilidade do xisto permite ainda a acumulação de águas das chuvas do inverno, para alimentar a planta no verão seco e muito quente.

vitivinicultura

A Quinta das Peixotas utiliza técnicas de cultivo que obedecem aos parâmetros da Proteção Integrada, sistema que exclui todos os produtos fitossanitários, pesticidas e adubos que causem prejuízo ambiental.

O sistema certificado de Proteção Integrada assenta no uso consciente dos recursos, desenvolvendo mecanismos naturais para a defesa da planta contra os agentes nocivos de forma a proteger a natureza e a produzir uvas biologicamente sãs e de elevada qualidade.

Os vinhos com a marca ‘Quinta das Peixotas’ resultam da vinificação utilizando as técnicas ancestrais de uvas escolhidas cacho a cacho das castas autóctones da região, predominando a Touriga Nacional, Touriga Franca, Tinta Roriz e Tinta Barroca.

A fermentação do vinho é feita em lagares de granito, com pisa a pé e em cubas de fermentação, e o estágio do vinho faz-se em cubas de aço inoxidável, em barricas de madeira e finalmente na garrafa, ao fim de 18 meses, para os lotes de reserva.

história e equipa

O nome Quinta das Peixotas surge a partir de uma das parcelas da vinha. Acredita-se que esta terá sido assim apelidada popularmente por ser o local onde se fazia a venda de peixe fresco, sendo o ponto intermédio (a meio da encosta) entre o rio Douro e a população do topo da encosta.

Por volta de 1860, a filoxera destruiu praticamente todos os vinhedos da região duriense; foi no início do século XX com a recuperação e aglutinação das áreas cultivadas que se constituíram a Quinta de Valbom de Cima e a Quinta das Peixotas, cujo obreiro foi João Alves Barreto.

Até 1986, foram as quintas pertença de várias gerações da família Barreto, altura em que a sua posse passou para o atual proprietário.

Em 1986, Jorge Almeida, médico de profissão e apaixonado pelo Alto Douro vinhateiro, criou e desenvolveu a marca Quinta das Peixotas, elaborando os seus vinhos sob altos padrões de qualidade e acreditando sempre no potencial do Douro.

Começou o processo de renovação da empresa, com a remodelação da adega e dando início à criação da nova identidade visual.
Neste momento a empresa é liderada por 4 mulheres – as suas filhas e esposa – que continuam o projeto, motivadas pelos mesmos ideais e como a maior das homenagens.

renovação e inovação

A Quinta das Peixotas é representada por uma adega em pedra antiga centenária e cobertura em telha tradicional. Esta sofreu um conjunto de intervenções de recuperação com a finalidade de apoiar e requalificar a exploração agrícola e melhorar o processo de transformação das uvas.

O projeto foi desenvolvido com preocupação e respeito pelo lugar, pelas tipologias das construções existentes neste tipo de terrenos agrícolas e pelo Património da Humanidade onde se insere.

Começou também um processo de reformulação da identidade visual e marca, com o intuito principal de valorização do produto e abertura a novos mercados.

A série de novos rótulos parte de um levantamento das vistas em planta dos terrenos da quinta, revelando um desenho topográfico das encostas em socalcos, que por meio de xilogravura, se apresentam como impressões digitais.

prémios

O vinho Quinta das Peixotas começou a ser engarrafado em 1992.

Graças ao apuramento técnico alcançado na escolha das uvas e na sua vinificação e estágio, conseguiu arrecadar os melhores prémios, tanto a nível regional como internacional.

Medalhas de ouro
Premios Mezquita 2015;
Wine Masters Challenge 2002;
Casa do Douro 2001.

Medalhas de prata
Premios Mezquita 2017;
La Selezione del Sindaco 2016;
Clube do vinho 2003.